Corrector de Genealogias...

Corrector de Genealogias...

Corrector de Genealogias...

Genealogia - gralhas, trapalhadas, erros e omissões em diversas publicações…

Quem se dedica à genealogia terá, certamente, noção da quantidade de publicações (nobiliários, sites, blogues, etc...) que se encontram com erros, gralhas, trapalhadas ou omissões - é certo que muitas delas serão resultantes de procedimentos metodológicos que não conferem "má-fé" por parte do autor ou daquele que publica. Mas existem, inevitavelmente, outras situações que resultam do propósito de adulterar factos, transformar fantasia em realidade, criar ligações de "conveniência", converter de forma engenhosa matéria ficcional em matéria factual. São, sobretudo, estas últimas que resultam de "má-fé" e tendem a desvirtuar e descredibilizar a genealogia...

Não pretendemos, neste espaço, categorizar cada uma das situações de acordo com as dimensões referidas e, muito menos, descredibilizar autores ou as suas publicações. Todos reconhecemos a importância que algumas obras, mais ou menos conceituadas, têm para a investigação genealógica, bem como o contributo que muitos autores, de outrora ou contemporâneos, deram e continuam a dar para esta ciência. Não obstante tal reconhecimento, considera-se que ninguém estará a salvo de críticas e de reparos, a bem da genealogia e, sobretudo, em abono da verdade.

Não poderemos deixar que uma "inverdade", pela quantidade de vezes (ou não) que é propagada, se tome como uma "verdade"... Sabemos o quão fácil é, sobretudo no contexto tecnológico em que vivemos onde a informação e desinformação viaja à velocidade da luz, perpetuar uma mentira, adulterando os factos e, em muitas circunstâncias, de quão difícil é repor uma verdade...

É sempre de lamentar os entraves e impasses que muitas vezes se colocam a quem, em sites e blogues, pretende propor correcções... em muitas circunstâncias, pela complexidade do processo de correcção, essas pessoas acabam por desistir dos seus intentos, guardando para si a matéria que deveria ser divulgada e partilhada com o público. Pode ser que algum dia alguém se lembre de publicar uma obra na qual serão abordados, exclusivamente, de forma fundamentada e séria, os erros de outras já publicadas. Fica a ideia..

É neste sentido, que resolvemos criar este blogue que denominámos como "Corri (ge) nea"(corrector de genealogias). Espera-se que venha a servir de inspiração para outras publicações do género, eventualmente mais funcionais e de formato mais intuitivo, com uma maior amplitude. Será determinante para o seu propósito o contributo dos leitores, pois as propostas de correcção serão suas. Pretende-se que este blogue funcione como um espaço virtual acessível à participação e colaboração de todos. Qualquer pessoa poderá propor uma correcção a uma qualquer publicação da esfera da genealogia, bastando que remeta o seu contributo, respeitando alguns parâmetros (identificar-se, fundamentar a proposta de correção e referir as fontes ou bibliografia que sustentam a mesma). Cada proposta de correcção deverá ser enviada através da aplicação “comentários” na etiqueta relativa à respectiva obra publicada (site, blogue, livro, revista, etc…). Caso ainda não exista uma etiqueta da obra para a qual pretende propor uma correcção, basta enviar-nos um email e sugerir a criação de uma nova etiqueta, fazendo menção à respectiva refererência bibliográfica da obra que gostaria de ver “etiquetada”. Embora cada comentário, antes da publicação, seja sujeito a moderação, agradece-se a não publicação de comentários depreciativos, infames e inoportunos, que possam denegrir a imagem ou fazer juízos de valor sobre terceiros, pois esse género de intervenções não se enquadram no âmbito e propósito deste projecto. Agradece-se a quem comentar como "anónimo" que se identifique no corpo da mensagem.

Poderá ainda enviar o seu contributo directamente para o email do blogue: alengenea(arroba)gmail(ponto)com

Reconhecemos que o procedimento poderia apresentar-se estruturado de um modo mais intuitivo, mas o formato do blogue, as ferramentas que o mesmo oferece e as nossas limitações no que respeita a conhecimentos de "bloguer" não permitem, pelo menos no imediato, encontrar alternativas mais simples.

Nota: Todas as propostas que não respeitem os referidos parâmetros não serão publicadas. A indicação do nome que submete a correcção e a referência à fonte ou bibliografia que sustenta a proposta de correcção serão imprescindíveis para a credibilização e aceitação da mesma. Todas as propostas de correcção serão da responsabilidade dos respectivos proponentes e não serão submetidas por parte do autor do blogue a qualquer processo de verificação ou confirmação da sua veracidade.

29/12/2013

Nobiliário das Famílias de Portugal - Felgueiras Gayo

Nobiliário das Famílias de Portugal
Felgueiras Gayo
Carvalhos de Basto, 2.ª Edição
Braga, 1989

Proponha uma correcção à respectiva obra enviando o seu comentário....

3 comentários:

  1. Q.tª DO BECO E CASA DO MORENO
    RANS -.PENAFIEL -PORTO

    1. INÊS DE LEÃO, sr.ª da Quinta do Beco em Rans, c. c. MARCOS BARBOSA.
    1.1.Gonçalo de Leão
    1.2. Marcos, que tomou ordens menores -15.3.1522.
    1.3. Filipe, idem
    1.4. Aleixo de Barbosa
    Felgueiras Gayo apresenta + filhos .VER EM BARBOSAS.

    2. GONÇALO DE LEÃO c. c. MARIA BRÁS CORREIA -filhos
    2.1 Catarina de Leão c. c. André Dias da Rocha.
    2.1.1Cristóvão de Leão

    MIGUEL DE LEÃO BARBOSA instituiu a Capela de N.ª S.ª do Monte na freg.ª de Guilhufe – Penafiel c. c. Maria Correia Nogueira.
    TEVE + irmãos

    BIBLIOGRAFIA:

    FAMILIA CARNEIRO LEÃO - Com origem em Carvalhosa - Paços de Ferreira, pp. 22-25

    ResponderEliminar
  2. MIGUEL DE LEÃO BARBOSA
    Fundou em 1612 (escrito na fachada) a capela da N.ª Sr.ª do Rozario do Monte em Guilhufe -Penafiel, e que se situa na minha freguesia. Era sr.º da Qt.ª da Aveleda, como seu pai e avô.
    É neto de MARCOS BARBOSA e de INÊS DE LEÃO e é confundido com o tio - MIGUEL BARBOSA, filho de Marcos. Este Miguel Barbosa é confundido pelos genealogistas -Felgueiras Gayo, Manuel Abranches de Soveral... Afirmam que Miguel de Leão Barbosa vendeu a honra de Barbosa ao bispo do Porto, D. João de Azevedo (1496 -1595). Marcos foi tabelião em Arrifana de Sousa em 1496 e seus filhos não tinham nascido e os netos nem pensar. Gayo enganou-se, mas os recentes não compararam as datas e copiaram GAYO.

    Alguma documentação existente na Biblioteca de PENAFIEL referente à Honra afirma a data de 1420 como venda, mas BOLETIM CULTURAL DA CÂMARA MUNICIPAL n.º 2. 1997, p.18 -BARBOSAS E AZEVEDOS E BEATO INÁCIO apenas confirma a venda.
    Não é verdade, tendo em atenção que a honra foi transmitida a D. Manuel de Azevedo através do seu pai e esta foi herdada por D. João de Azevedo. Transmissão através de família.directa.

    Fontes: datas de nascimento - FamÍlia Carneiro Leão com origem em Carvalhosa -.Paços de Ferreira, GeneAll-net- Verificando as datas verifica-se a realidade. Não é VERDADE.

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde

    Manoela de Medeiros, pretendia consultar Felgueiras Gayo -Nobiliário das Famílias de Portugal - edição Carvalhos de Basto. O meu objectivo é pesquisar "Barbosas", pois estou a trabalhar a Capela de N.ª Sr.ª do Rozario do Monte, em Guilhufe-Penafiel. Esta foi mandada construir em 1612 por Miguel de Leão Barbosa, filho de Gonçalo Leão e neto de Marco Barbosa, tabelião em Arrifana de Sousa (Penafiel em 1496). Soveral, Gayo e outros genealogistas copiavam e não investigavam as datas. Dão este Miguel como filho de Marcos Barbosa e Inês de Leão, pois estes tinham um MIguel Barbosa, portanto, tio do Miguel de Leão Barbosa que está sepultado na capela-mor ..."para si e seus descendentes" -gravada na pedra da sepultura. Seu avô, pai e tios foram Senhores da Qt.ª da Aveleda-Penafiel (Gayo). É verdade.
    Pretendia saber o Vol e a p. com o sub- título BARBOSAS, para colocar em nota de roda-pé, pois só consigo a 1.ª edição e pretendia a 2.ª edição - Carvalhos de Basto . Estou com muitas famílias, mas todos os volumes que utilizo são os mais antigos. Como conseguir?

    Grata pela atenção

    Gestora do Património
    Manoela de Medeiros

    ResponderEliminar

O seu comentário será sujeito a moderação.